sobre a rabiscadora:

Minha foto
Estudante de jornalismo na Universidade São Judas Tadeu (USJT). Colunista do "Vá ler um livro" da MTV Brasil. Escritora por paixão, amor e loucura. Portfolio http://www.clicfolio.com/gra.zisantos

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Tudo pelos "15 minutos"

Quando se fala em ser famoso, a maioria das pessoas já entra naquele êxtase do "primeiro eu! primeiro eu!". Parece que nos dias de hoje vale de tudo para conseguir um espacinho que seja na mídia - seja ela qual for; e quando falo em valer de tudo, é TUDO mesmo. Quanto mais diferente, verborrágico, irreverente e exótico, melhor. E claro que todas essas qualidades vem de mãos dadas à prós e contras, ambos com grandes consequências. O caso de Rafinha Bastos é o maior exemplo atual, com seu humor desrespeitoso, baseado na suposta liberdade de expressão, mas não pretendo prolongar nesse assunto mais do que já tem sido feito.

Exemplos mais cabíveis [e mais saudáveis também], na vertente dos Vlogs [ou Videoblogs, que são blogs compostos apenas por videos] temos PC Siqueira e Felipe Neto. Ambos falam sobre temas cotidianos, sociais, de interesse público e sobre o nada e o tudo do dia-à-dia, de forma explícita, irônica e até com certo impacto algumas vezes, e isso causa identificação imediata na maioria das pessoas. Os dois ganharam fama com seus videos, reconhecimento público e passaram a ganhar dinheiro com esse espaço.

Falar de pessoas públicas é de fácil crítica, tanto as de boa ou má repercussão - convenhamos que ser bom ou mal depende bastante do espectador, mas acho importante [e interessante] citar também os anônimos que buscam a fama, e senão a fama, algum tipo de reconhecimento.
Por esses dias houve o compartilhamento do video-viral de uma garota que talvez queira seguir a carreira de cozinheira, já que ela ensina a "receita de um sanduíche". Aparentemente normal, não fosse por determinados ingredientes e no modo de preparo da iguaria. Para quem ainda não viu o video e está curioso para saber o sabor do sanduíche, deixo o link por conta e risco de cada um: Sanduíche para maiores de 18 anos apenas.
Longe de ser falsa puritana, gosto de sexo e erotismo, apoio a criatividade na hora H e até incentivo a utilização de comestíveis para diversificar de vez em quando... mas acredito que exista um limite [não só gastronômico] para tal, e mesmo que o alimento que se vá utilizar não seja comum, passar a faca já "usada" dentro do pote de maionese que a família come no café da manhã já é sacanagem.

Criticas à parte, todos querem e buscam seu reconhecimento, o que é muito aconselhável para a diversidade da comunicação. Os espaços de mídia são amplos e a variedade ilimitada; o que falta é uma maior preocupação com a qualidade deste material. Este ainda é um ponto que necessita atenção, pois boas ideias e contextos nascem aos montes todos os dias, e se ao menos 1/3 desses projetos receber devida atenção, cuidado, trato e dedicação, o mercado da comunicação conta com grandes surpresas em suas formas de levar informação ao público.

2 comentários:

Anônimo disse...

Legal seu texto, espero conseguir acompanhar seu blog. Infelizmente, creio eu, para termos mais qualidade na mídia precisaríamos de um público mais inteligente... e tá tão difícil! Por isso esses sanduíches serem um grande sucesso!

Liliane

Camila . disse...

Essa semana tivemos os dois babacas que invadiram uma transmissão da rede globo em meio a cobertura de um assunto sério e delicado. Em busca desses 15 minutinhos, as pessoas estão esquecendo o que é respeito, se é que algum dia, souberam o significado disso.

Olá Graziela, obrigada por passar no meu blog, vamos manter contato. Você que gosta de Bukowski, deveria ler Rubem Fonseca, se é que já não o conhece.
Vamos nos falando por aqui. Não vamos perder contato. Gostei de você e desse seu cantinho (: